Moçambique: Informação sobre o País

From energypedia

Visão Geral

Map 1: Mozambique in Southeast Africa (maps.google.com)

A República de Moçambique está localizada no sudeste da costa Africana e tem uma superfície de 801.590 quilómetros quadrados. Faz fronteira com a África do Sul, Suazilândia, Zimbabué, Zâmbia, Malawi, Tanzânia e é separada de Madagáscar pelo Oceano Índico. O país está dividido em dez províncias e uma cidade capital (ver mapa: Províncias em Moçambique). É um dos países mais pobres do mundo, e o 7º mais pobre em África [1] com um PIB per capita de USD 1281 (2019), um PIB total de USD 14,96 mil milhões (2019), e um crescimento anual do PIB de 3,11% (2018) [2]. A língua oficial é o português, falado como língua franca por apenas 16,6% da população, principalmente nas zonas urbanas [3]. Makuhwa, uma língua indígena banto, é a mais falada em todo o país, particularmente na região norte do rio Zambeze. É falada por 26,1% da população. Outras línguas principais faladas incluem o Tsonga (8,6%), Nyanja (8,1%), Sena (7,1%), Lomwe (7,1%), Chuwabo (4,7%), Ndau (3,8%), e Tswa (3,8%) (2017) [4].

Map 2: Provinces of Mozambique

Demografia

Moçambique tem uma população de 30,37 milhões de habitantes (2019) [5], dos quais 51,4% são mulheres (2019). A população é também jovem, com 45% da população entre os 0-14 anos (2020) [6]. 62,4% da população total vive em zonas rurais e cerca de um terço da população total encontra-se em cidades e vilas costeiras (2021) [6].  A cidade de Maputo é a cidade moçambicana mais urbanizada e está localizada na região sul do país. Outras grandes cidades com mais de 300000 habitantes são Matola, uma cidade industrial localizada na área suburbana da Província de Maputo; Nampula, uma cidade universitária e empresarial no Norte; e Beira, que é a capital da Província de Sofala [7]. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Moçambique que, mede a expectativa de uma pessoa de viver uma vida longa e saudável, o acesso ao conhecimento e um nível de vida decente, ocupa o 181º lugar entre 189 países, com um valor de 0,456 (sendo 1 o mais alto) em 2020 [8]. Este valor baseia-se em indicadores de saúde, educação e nível de vida, medidos pelo Rendimento Nacional Bruto (RNB) per capita [9] [10]. Um total de 72,5% da população é considerada multi-dimensional pobre, dos quais 49% se encontram em grave pobreza multidimensional [9] e cerca de 62,9% da população vive abaixo da linha de pobreza internacional de 1,90 USD por dia. As estimativas de pobreza multidimensional [7] baseiam-se em dados de 2011 devido à falta dos dados de inquérito mais recentes disponíveis ao público [11].

Estima-se que o número de pessoas que vivem abaixo do limiar de pobreza poderá crescer até 69% no final de 2021. Até Outubro de 2020, o desemprego aumentou para uma taxa de 3,24% [12] e a dívida pública cresceu até 124,5% do PIB [12], prevendo-se que atinja 126,4 em 2022 [13].

Topografia

A linha costeira de Moçambique tem 25000 km de comprimento. Mais de metade do território moçambicano é constituído por planalto de pastagens baixas com uma média de 230 m acima do nível do mar. Há elevações significativas espalhadas por todo o país. Os pontos mais altos em Moçambique são o Monte Binga (2436 m) na província de Manica, o Monte Namuli (2419 m) na Zambézia, o Monte Domue (2095 m) em Tete e Gorongosa (1862 m) em Sofala [3]. Em geral, o leste de Moçambique tem extensas terras baixas enquanto o oeste é mais montanhoso [14].  

Há vários rios importantes em Moçambique que fornecem diferentes regiões de água doce para a agricultura e são uma fonte valiosa para as centrais hidroeléctricas. O rio Zambeze é o mais longo dos 25 rios de Moçambique e o quarto mais longo em África. Flui da Zâmbia para Angola e toca as fronteiras da Namíbia, Botswana e Zimbabué antes de atravessar o meio de Moçambique e esvaziar-se para o Oceano Índico [3]. O rio Zambeze alimenta a central hidroeléctrica de Cahora Bassa, na província de Tete.  

Outros grandes rios como, o Limpopo de 1087 milhas, que corre da África do Sul e o Rovuma e que Moçambique partilha com a Tanzânia, têm taxas de fluxo lentas. Estes rios não são adequados para energia hidroeléctrica, portanto, são principalmente utilizados para irrigação.

Situação Política

Desde a sua independência de Portugal em 1975, Moçambique tem lutado com a identidade do Estado. Nesse ano, a constituição da República Popular de Moçambique tornou-se efectiva e dois anos mais tarde, passou por uma revisão, fazendo da FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique) o único partido político legal. A FRELIMO começou como uma campanha contra os colonizadores portugueses nos anos 60, que durou até Moçambique conquistar a independência. A victória violenta da FRELIMO e as suas ligações com a União Soviética levaram a uma guerra civil contra a Resistência Nacional Moçambicana, RENAMO. Após o estabelecimento de uma nova constituição em 1990, o conflito terminou com um Acordo de Paz entre ambos os movimentos em 1992 [3]. A nova constituição, revista novamente em 2004, introduziu um Estado de direito democrático e levou Moçambique a realizar as suas primeiras eleições multipartidárias em 1994. A constituição inclui os papéis recentemente estabelecidos do presidente como chefe do poder executivo, da Assembleia da República como representante do poder legislativo e do Supremo Tribunal como o órgão máximo do poder judicial. Os representantes para cada poder são eleitos de 5 em 5 anos [15].

Apesar da presença da RENAMO e de um novo partido político, O Movimento Democrático de Moçambique (MDM), os candidatos da FRELIMO ganharam todas as eleições desde 1994 para as eleições presidenciais. As eleições gerais mais recentes foram realizadas em 2019 com Filipe Jacinto Nyusi da FRELIMO como o candidato reeleito vencedor contra Ossufo Momade, líder da RENAMO [8].

Uma das visões da FRELIMO é unificar todos os grupos étnicos. Esta postura tem causado disputas entre pequenos grupos políticos locais, devido ao facto de a FRELIMO ser o partido dominante e a sua proibição constitucional da criação de partidos etno-regionais.

Para além do caminho para a estabilidade política, Moçambique tem enfrentado intensas lutas religiosas que resultaram em derramamento de sangue. A província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, tem sido objecto de interesse e conflito armado nos últimos cinco anos. Em Novembro de 2017, começou uma violenta rebelião armada em Cabo Delgado, quando os militantes jihadistas do movimento extremista islâmico de Ansar al-Sunna atacaram vários postos policiais em Mocímboa da Praia, incendiando aldeias e forçando os habitantes a fugir. Acredita-se que a elevada taxa de desemprego e o boicote religioso extremista à saúde pública e à educação, levam os jovens adultos marginalizados a juntarem-se ao movimento [8].

Actividades Económicas

A principal actividade económica de Moçambique é a agricultura, empregando cerca de 70% da população activa total e representando 26% do PIB (2019) [16]. Existe uma grande variedade de culturas e produtos agrícolas em Moçambique, que segundo a FAO é o 18º maior produtor mundial de mandioca (2019) [13]. Os produtos mais cultivados incluem sementes oleaginosas, milho, feijão, arroz e açúcar. 9% do total da população activa trabalha no sector industrial [16]. As exportações minerais importantes incluem alumínio, carvão, minério de ferro, ouro, bauxite, grafite, mármore e tantalite [13].  

Taxa de emprego de Moçambique por sector em 2019 [16]

Sector Percentagem total do PIB Percentagem total de emprego
Agricultura 26% 70%
Indústria 22.9% 9%
Serviço / sector terciário 39.9% 21%

As 10 maiores exportações de Moçambique em 2020 [17]

Categoria Valor mais alto em dólares (USD) Quota das exportações globais
Combustíveis minerais incluindo petróleo 1.3 bilhões 36.4%  
Aluminiu 1.1 bilhões 30.6%
Minérios, escória, cinzas 238 milhões 6.9%
Tabaco 162.3 milhões 4.7%
Frutas, nozes 126 milhões 3.6%
Sementes oleaginosas 86.4 milhões 2.5%
Vegetais 59.1 milhões 1.7%
Peixe 48.6 milhões 1.4%
Sal, enxofre, pedra, cimento 47 milhões 1.4%
Açúcar, confeitaria 44.3 milhões 1.3%

Para além dos bens de exportação acima mencionados, a electricidade é uma das exportações mais valiosas de Moçambique. Cahora Bassa é uma das maiores barragens do mundo. 65% da electricidade produzida pela Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB) é exportada para a África do Sul. Os restantes 35% estão divididos entre a energia eléctrica das regiões do norte de Moçambique e a exportação para o Zimbabwe [18].  

Um recurso natural importante encontrado em Moçambique é o gás natural liquefeito (GNL). Empresas energéticas estrangeiras como a Anadarko e ENI, descobriram depósitos significativos de gás natural na Bacia do Rovuma, na costa de Cabo Delgado, em 2015 [19]. Considerando a grande dimensão das reservas de gás, Moçambique tem o potencial de ser um dos maiores mercados de GNL na região subsaariana [13]. Existem já três grandes projectos de GNL com investimentos na indústria de GNL de Moçambique [20]. No entanto, devido aos conflitos internos em Cabo Delgado, a Total (um dos investidores) congelou os seus investimentos indefinidamente em Abril de 2021 [21].

Nome do Projecto Investidores envolvidos Investimento (USD)
Mozambique LNG Project Total

Anadarko (antigo investidor mas adquirido pela Total em 2019 [22])

20 bilhões
Coral FLNG Project ENI

Exxon Mobil

4.7 bilhões
Rovuma LNG Project Exxon Mobil

ENI

China National Petroleum Corporation (CNPC)

30 bilhões

As principais importações de Moçambique em 2018 foram óleos de petróleo, alumínio em bruto, arroz, fluoretos, veículos automóveis, cereais, produtos farmacêuticos, energia eléctrica e óleo de palma. Os principais parceiros comerciais para importação e exportação são a África do Sul, China, Emiratos Árabes Unidos, Holanda, Índia, Singapura e Hong Kong [23].

Perfil Climático

Moçambique tem um clima subtropical acompanhado de temperaturas elevadas no interior do território e ainda mais elevadas nas regiões costeiras. Há duas variações sazonais com clima fresco e seco de Abril a Setembro e clima quente e húmido de Outubro a Março. Em termos de precipitação, a região norte recebe em média 1.000 mm/ano, enquanto a região sul recebe 500 mm/ano. As linhas costeiras e alguma topografia superior recebem a maior precipitação entre 800-1200 mm/ano e alguma região semi-árida do sul recebe menos de 300 mm/ano (ver Mapa 3) [14].  Em média, há 2750 horas de luz solar por ano e 7:33 horas de luz solar por dia [24], um perfil de irradiação médio de cerca de 2000 KWh/m2/ano, e um potencial de aproveitamento solar de cerca de 2,7 GW [25].

Map 3: Rainfall Pattern of Mozambique

A localização geográfica de Moçambique com a sua longa linha costeira e uma extensa planície abaixo do nível do mar torna-o altamente vulnerável às alterações climáticas. Além disso, Moçambique partilha [13] grandes rios com países vizinhos tornando-o vulnerável às ameaças geopolíticas decorrentes das alterações climáticas. A redução do padrão de precipitação devido às alterações climáticas poderia traduzir-se numa redução do fluxo fluvial, levando a um potencial conflito de recursos hídricos entre países vizinhos [26].

A localização geográfica de Moçambique, com a sua longa linha costeira e uma extensa planície abaixo do nível do mar, torna-o altamente vulnerável às alterações climáticas. Além disso, Moçambique partilha [13] grandes rios com países vizinhos, tornando-o vulnerável às ameaças geopolíticas decorrentes das alterações climáticas. A redução do padrão de precipitação devido às alterações climáticas poderia traduzir-se numa redução do fluxo fluvial, levando a um potencial conflito de recursos hídricos entre países vizinhos.

Moçambique é também propenso a desastres naturais tais como cheias, ciclones e tempestades intensas. As inundações resultantes de tempestades severas e ciclones, têm causado a destruição de culturas e infra-estruturas em várias ocasiões [27]. A dependência da agricultura, pesca e actividades agrícolas de mais de metade da população traduz-se num risco acrescido para a economia local no caso de uma catástrofe natural [28]. Em 2019, Moçambique enfrentou duas das suas catástrofes naturais mais destrutivas. O ciclone Idai e o ciclone Kenneth devastaram grandes áreas de Moçambique, Malawi, Tanzânia e Zimbabué que ainda se encontram em recuperação [29]. A região central de Moçambique sofre também de secas devido a padrões pluviométricos imprevisíveis que afectam a produtividade agrícola e o acesso a água doce [30].

Mais Informações

Referências

  1. ‘Mozambique: Energy and the Poor’, K. Naidoo, C. Loots, 2020, https://sun-connect-news.org/fileadmin/DATEIEN/Dateien/New/2021-01-29_UNDP-UNCDF-Mozambique-Energy-and-the-Poor.pdf.
  2. CIA, ‘Mozambique - The World Factbook’, accessed 23 February 2021, https://www.cia.gov/the-world-factbook/countries/mozambique/#people-and-society.
  3. 3.0 3.1 3.2 3.3 Britannica, ‘Mozambique | Culture, History, & People’, Encyclopedia Britannica, 2021, https://www.britannica.com/place/Mozambique.
  4. IndexMundi, ‘Mozambique Languages - Demographics’, 2020, https://www.indexmundi.com/mozambique/languages.html. World Bank, ‘Population, Female (% of Total Population) - Mozambique’, 2019,
  5. World Bank, ‘Population, Female (% of Total Population) - Mozambique’, 2019, https://data.worldbank.org/indicator/SP.POP.TOTL.FE.ZS?locations=MZ.
  6. 6.0 6.1 CIA, ‘Mozambique - The World Factbook’, 2021, https://www.cia.gov/the-world-factbook/countries/mozambique/.
  7. 7.0 7.1 Population of Cities in Mozambique (2021)’, https://worldpopulationreview.com/en/countries/cities/mozambique.
  8. 8.0 8.1 8.2 Bertelsmann Stiftung, ‘BTI 2020 Country Report - Mozambique’, 2020, https://www.bti-project.org/content/en/downloads/reports/country_report_2020_MOZ.pdf.
  9. 9.0 9.1 United Nations Development Programme, Human Development Report 2020: The Next Frontier - Human Development and the Anthropocene, Human Development Report (United Nations, 2020), https://doi.org/10.18356/9789210055161
  10. Expressed in constant 2017 international dollars, http://hdr.undp.org/sites/all/themes/hdr_theme/country-notes/MOZ.pdf
  11. S Alkire et al., ‘Changes over Time in the Global Multidimensional Poverty Index’, 2020, http://hdr.undp.org/sites/default/files/2020_mpi_statistical_data_table_1_and_2_en.pdf
  12. 12.0 12.1 Statista, ‘Mozambique - Unemployment Rate 1999 to 2020’, Statista, 2021, https://www.statista.com/statistics/808796/unemployment-rate-in-mozambique
  13. 13.0 13.1 13.2 13.3 13.4 13.5 Santander Trade Markets, ‘Mozambican Economic Outline’, 2021, https://santandertrade.com/en/portal/analyse-markets/mozambique/economic-outline
  14. 14.0 14.1 Netherlands - Ministry of Foreign Affairs, ‘Climate Change Profile - Mozambique’, 2019, https://www.government.nl/binaries/government/documents/publications/2019/02/05/climate-change-profiles/Mozambique.pdf
  15. FAO, ‘FAOLEX Database - Mozambique’, 2021, http://www.fao.org/faolex/results/details/en/c/LEX-FAOC117331/#
  16. 16.0 16.1 16.2 World Bank, ‘Employment in Industry (% of Total Employment) (Modeled ILO Estimate) - Mozambique’, 2021, https://data.worldbank.org/indicator/SL.IND.EMPL.ZS?locations=MZ
  17. World Bank, ‘Employment in Industry (% of Total Employment) (Modeled ILO Estimate) - Mozambique’, 2021, https://data.worldbank.org/indicator/SL.IND.EMPL.ZS?locations=MZ
  18. International Trade Administration (U.S.), ‘Mozambique - Energy’, 2019, https://www.export.gov/apex/article2?id=Mozambique-Energy.
  19. ‘Mozambique Profile - Timeline’, BBC News, 19 March 2019, sec. Africa, https://www.bbc.com/news/world-africa-13890720
  20. Theo Neethling, ‘Offshore Gas Finds Offered Major Promise for Mozambique: What Went Wrong’, The Conversation, accessed 18 May 2021, http://theconversation.com/offshore-gas-finds-offered-major-promise-for-mozambique-what-went-wrong-158079
  21. Francois Beaupuy, Paul Burkhardt, and Borges Nhamire, ‘Total Suspends $20BN LNG Project in Mozambique Indefinitely’, 2021, https://www.aljazeera.com/economy/2021/4/26/total-suspends-20bn-lng-project-in-mozambique-indefinitely
  22. Jack Unwin, ‘Total Buys Anadarko Share in Mozambique LNG Project’, 2019, https://www.power-technology.com/news/deal-news/total-anadarko-mozambique-lng-project/
  23. TrendEconomy, ‘Mozambique | Imports and Exports’, 2021, https://trendeconomy.com/data/h2/Mozambique/TOTAL
  24. Sunshine & Daylight Hours in Maputo, Mozambique Sunlight, Cloud & Day Length’, accessed 23 June 2021, http://www.maputo.climatemps.com/sunlight.php
  25. Pranab Baruah and Brendan Coleman, ‘Country Brief: Mozambique Off-Grid Solar Power in Mozambique: Opportunities for Universal Energy Access and Barriers to Private Sector Participation’, n.d., 26.
  26. USAID, ‘Climate Risk Profile - Mozambique’, 2018, https://www.climatelinks.org/sites/default/files/asset/document/2018_USAID-ATLAS-Project_Climate-Risk-Profile-Mozambique.pdf
  27. Climate Change Profile: Mozambique - Mozambique | ReliefWeb’, accessed 18 May 2021, https://reliefweb.int/report/mozambique/climate-change-profile-mozambique
  28. Government of Mozambique, ‘Mozambique - National Climate Change Adaptation and Mitigation Strategy’, 2014, https://www.greengrowthknowledge.org/sites/default/files/downloads/policy-database/MOZAMBIQUE%29%20National%20Climate%20Change%20Adaptation%20and%20Mitigation%20Strategy.pdf
  29. The Guardian, ‘Cyclone Idai ’ Might Be Southern Hemisphere’s Worst Such Disaster’’, 2019, https://www.theguardian.com/world/2019/mar/19/cyclone-idai-worst-weather-disaster-to-hit-southern-hemisphere-mozambique-malawi
  30. AfDB, ‘Mozambique - National Climate Change Profile’, Text (African Development Bank Group, 2019), https://www.afdb.org/en/documents/mozambique-national-climate-change-profile