Potencial em Energias Renováveis

From energypedia

Introdução

Os projectos renováveis de grande escala estão a tornar-se um ponto de interesse para o investimento em Moçambique, especificamente solar e hídrico. No final de 2020, havia um total de 582 MW de capacidade potencial derivados de produtores independentes de energia (PPI). Em 2021, 41 MW estavam em funcionamento e 41 MW adicionais estavam em construção. Estavam em fase de pré-viabilidade 275 MW e foram lançados concursos no valor de 160 MW pelo programa PROLER (que assiste o serviço público nacional de Moçambique, EDM, com concursos). Os restantes 65 MW correspondiam a contractos de aquisição de energia já assinados.  O principal organismo moçambicano de promoção do acesso às energias renováveis, o FUNAE, espera uma capacidade total instalada na rede para energia solar e eólica de 306 MW em 2031[1].

O Governo de Moçambique também tem o objectivo ambicioso de acrescentar 600 MW adicionais de potência até 2024 e dos quais 200 MW provirão de energias renováveis (solar, eólica e hídrica) e 400 MW de centrais eléctricas alimentadas a gás.[2]

Solar

Solar map of Mozambique.png

Moçambique tem um recurso solar abundante e inexplorado que poderia ser aproveitado à escala de utilidades, bem como fotovoltaico residencial para a electrificação da rede, tanto dentro como fora da rede. O mapa seguinte mostra o perfil global de irradiação horizontal de Moçambique que varia entre 1.785 e 2.206 kWh/m2/ano. O potencial de aproveitamento da energia solar é limitado tanto pelo restabelecimento contínuo da política energética em Moçambique como pela dispersão da população rural em todo o país. Do potencial total de 23.000 GW, apenas cerca de 2,7 GW seriam realisticamente adequados para projectos solares compatíveis com os actuais planos de electrificação e expansão da rede. No entanto, o facto de a população rural estar altamente dispersa significa que, em vez de estender a electrificação na rede, os Sistemas Solares Domésticos fora da rede e as mini-redes poderiam ser uma alternativa mais rentável para fornecer acesso à electricidade em comunidades distantes e dispersas[3].

O mapa do potencial de energia fotovoltaica desenvolvido pelo Banco Mundial mostra o potencial para projectos de energia fotovoltaica em Moçambique numa escala de produção total anual específica de energia fotovoltaica[4] de 1.534 a 1.753 kWh/kWp. As zonas marcadas na sombra mais escura mostram o potencial mais elevado[5].

Até finais de 2020, os PPIs internacionais planearam a construção de mais doze centrais fotovoltaicas para um futuro próximo, com capacidades instaladas entre 15 e 40 MW. Dessas centrais planeadas, três já passaram por um Acordo de Aquisição de Energia (AAE) aprovado, outras três estão em processo de lançamento de concursos através do PROLER, e as restantes encontram-se em fase de pré-viabilidade [6].

Já existe uma instalação fotovoltaica em larga escala em funcionamento, custeada pela EDM e por dois Produtores Independentes de Energia noruegueses: Scatec Solar e KLP Norfund Investments. Está localizada perto de Mocuba (40 MW) e está em funcionamento desde 2019. A PPI francesa Neoen (75%) e a EDM (25%) iniciarão a construção de uma segunda central de 41 MW em Metoro, Cabo Delgado, em Outubro de 2022 [7][8]. Esta central está operacional desde Abril de 2022 e tem capacidade para adicionar 69 GW/hr de electricidade por ano à rede nacional. A Neoen assinou um acordo de compra de energia com a EDM, com a duração de 20 anos

Projectos solares de grande escala em Moçambique (fase de concurso/operacional)
Capacidade Descrição Estatuto
40 MW planta em Mocuba, Zambezia Instalação fotovoltaica em larga escala dividida pela EDM e por dois Produtores Independentes de Energia noruegueses: Scatec Solar e KLP Norfund Investments. A central fornecerá electricidade a cerca de 175.000 lares ao abrigo de um acordo de compra de energia de 25 anos com a EDM.[9] em operação desde 2019
41 MW planta em Metero, Cabo Delgado Central solar pertencente à PPI francesa Neoen (75%) e EDM (25%) e a Neoen assinou um acordo de compra de energia durante 20 anos com a EDM. A central tem uma capacidade para adicionar 69 GW/h de electricidade por ano à rede nacional[10][11]. A construção começou em Outubro de 2021 e a fábrica está em funcionamento desde Abril de 2022[12][13]
30 MW planta em Dondo, Sofala A Total Eren é responsável pela concepção, financiamento, construção e operação do projecto, no âmbito de uma parceria público-privada e assinará um acordo de compra de energia para vender a electricidade à EDM.[14] Em Abril de 2022, a ARENE adjudicou o concurso à Total Eren
100 MWp planta em Chimuara Solarcentury Africa, Renewable Energy Services Africa (RESA) e Checunda Investimentos estão a desenvolver conjuntamente esta central e a energia será vendida à EDM.[15] Terra garantida. O projecto será construído em fases com uma primeira fase com uma capacidade de 30 MWp
Instalação solar de 19MWp com um sistema de armazenamento de energia de 2 MW (7MWh), Cuamba, Niassa A Globeleq e a Source Energia são responsáveis pela construção desta central e a energia gerada será vendida à EDM utilizando um CAE com 25 anos de duração. As empresas irão também actualizar a subestação de Cuamba existente, como parte do seu acordo com a EDM.[16] in construction[17]

Durante o Fórum Africano da Energia celebrado em Junho de 2022, a EDM em conjunto com a Cooperação Financeira Internacional (CFI) anunciou quatro mini instalações solares fotovoltaicas e de armazenamento de baterias com uma produção total esperada de 50 MW. Estas instalações estão planeadas para fazer parte da Rede Nacional e o CFI irá também realizar um estudo de integração na rede e de viabilidade financeira antes da construção das centrais solares[18][19].

Energia Hidroelétrica

A partir de 2020, Moçambique tem um dos maiores potenciais hidroeléctricos em África, estimado em mais de 12.000 MW [20], especialmente na província de Tete, no rio Zambeze, onde se situa a central de grande escala Cahora Bassa (mais de 80% do potencial). As outras 12 principais bacias hidrográficas são Maputo, Umbeluzi, Incomati, Limpopo, Save, Búzi, Pungwe, Licungo, Ligonha, Lúrio, Messalo e Rovuma e têm potencial para todos os tipos de energia hidroeléctrica, desde a pico, mini a energia hidroeléctrica de grande escala [21]. A exportação de electricidade gerada em Cahora Bassa é já um negócio regular, o que faz de Moçambique um fornecedor crítico de electricidade para os países vizinhos e uma área de interesse para o comércio de electricidade [20].

Contudo, a ligação à rede das centrais hidroeléctricas de grande escala não é uma solução para electrificar a população rural fora da rede. A construção de micro centrais hidroeléctricas estrategicamente localizadas poderia melhorar a taxa de electrificação para este segmento da população. A actual tarifa de alimentação aprovada em 2014, apoia a PPI para pequenos projectos hidroeléctricos de 10 kW a 10 MW [22]. Espera-se que este incentivo melhore os investimentos em pequenos projectos a fim de aumentar as oportunidades de emprego, electrificar residências rurais e edifícios públicos, bem como impulsionar o desenvolvimento económico das aldeias rurais locais. Existem actualmente estudos para avaliar os benefícios e a possibilidade de replicação ou expansão da energia hidroeléctrica de pequena escala existente, tais como a central situada em Manica [23].

Tabela: Capacidade instalada de Energia Hidroelétrica em Moçambique
Planta Capacidade Instalada (MW) Localização Operador
Cahora Bassa 2075 Tete Hidroeléctrica de Cahora Bassa
Mavuzi 52 Manica EDM
Chicamba 44 Manica EDM
Corumana 16.6 Maputo EDM
Cuamba 1.09 Niassa EDM
Lichinga 0.73 Niassa EDM

Fonte: Dados de Cahora Bassa de 2016 [24]

           Dados para instalações EDM a partir de 2018 [25]

Os projectos hidroeléctricos planeados em grande escala incluem uma expansão de 1,245 MW da margem norte de Cahora Bassa em 2021 e uma nova central eléctrica com uma capacidade instalada de 1,500 MW (Mphanda Nkuwa) a 60 km a jusante de Cahora Bassa, a ser comissionada em 2028. [26]

Tabela: Projectos Planeados de Energia Hidroelétrica em grande Escala [27]
Nome do projecto Localização Capacidade Situação (a partir de 2021)
Banco Norte de Cahora Bassa Tete 1245 MW Avaliação de Sustentabilidade
Mphanda Nkuwa Tete 1500 MW O Banco Africano de Desenvolvimento servirá como consultor para este projecto e o projecto visa atingir o encerramento financeiro até ao final de 2024 e está prevista a sua entrada em funcionamento para 2031. O projecto deverá custar 4,5 mil milhões de dólares[28].

Anteriormente, a fábrica deveria ser desenvolvida e operada por um consórcio de três organizações: Camargo Corrêa (40%), Insitec (40%), e EDM (20%). Este acordo fracassou devido à falta de financiamento e, consequentemente, o Governo revogou a concessão em 2018. Actualmente, o Governo está à procura de investimento do sector privado[29].

Lupata Sofala 600-650 MW Viabilidade
Boroma Tete 200-400 MW Viabilidade
Lurio Cabo Delgado 120 MW Viabilidade
Mavuzi 2&3 Manica 60 MW Conceitual
Malema Nampula 60 MW Pré-Viabilidade
Massingir Gaza 25-40 MW Pré-Viabilidade

Energia Eólica

Map1: Velocidade média do vento a 100 m

Moçambique tem uma capacidade potencial de vento de 4,5 GW, dos quais cerca de 25% tem potencial para ligação imediata à rede existente. As províncias com maior potencial são Tete, Maputo, Sofala, Gaza, e Inhambane. Este potencial é determinado pelos locais com a maior velocidade média de vento a 80 m (mais de 7 m/s em Maputo e Gaza), e com mais de 3.000 horas equivalentes à potência nominal [30].

Os mapas seguintes mostram a velocidade média do vento a 100 m acima do nível do mar e a densidade média estimada de potência disponível a partir do recurso eólico. A região sul de Maputo mostra uma elevada velocidade média do vento a 100 m, contudo a densidade de potência é baixa. As áreas com o melhor recurso eólico e maior densidade média de potência estão localizadas na parte central de Tete e na fronteira entre as províncias de Nampula e Zambézia [30].

Há três projectos eólicos planeados para um total de 160 MW de capacidade instalada. Um dos projectos eólicos, uma central de 40 MW a ser localizada na província de Inhambane, iniciará o concurso de pré-qualificação em 2023. Mais duas centrais de 60 MW estão actualmente em fase de análise de viabilidade [6].

Map2: Densidade média da energia eólica a 100 m


Biomassa

Globalmente, Moçambique tem um rico potencial de biomassa de mais de 2 GW [5]. O carvão vegetal e a lenha são combustíveis importantes para fins energéticos para cozinhar em Moçambique, bem como em outros países da África Austral. A floresta tropical seca de Moçambique permite o crescimento de espécies arbóreas, como o Colophospermum mopane, que fornece um produto de alta qualidade e queima lenta [31]. Contudo, a utilização de carvão vegetal como combustível tem sérias implicações para a saúde, ambiente, género e finanças e é discutida neste capítulo. A exploração sustentável dos recursos de biomassa pode prevenir conflitos fundiários, abuso dos direitos comunitários, e impactos ambientais como a desflorestação, degradação da terra e emissões de gases com efeito de estufa [32]. A fim de assegurar a produção sustentável de biomassa, a Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis em Moçambique, com a cooperação dos parceiros da União Europeia, desenvolveu a Estratégia Energética de Biomassa em 2012. Esta estratégia identificou o maior potencial para que a biomassa de florestas produtivas fosse de 26,9 milhões de ha. As províncias com maior área potencial são Niassa, Zambézia, Tete e Cabo Delgado [32]. A madeira para produção de combustível é obtida de plantações localizadas principalmente nas províncias do Niassa, Zambézia, e Manica [32].

Outros combustíveis de biomassa com elevado valor calorífico são resíduos sólidos, provenientes de diferentes indústrias produtivas. O quadro seguinte do GET.invest mostra o potencial da biomassa derivada de resíduos por sector (dados de 2014)[5].

Floresta 1006 MW
Agro-indústria n/a
Indústria de Polpa 280 MW
Indústria de Açucar 831 MW
Resíduos Sólidos Municipais 63 MW
Outros (explorações pecuárias, óleos vegetais para coco ou Jatrofa) n/a

Para uma repartição das zonas de subsistência onde a venda de biomassa é uma das principais fontes de rendimento, ver este capítulo.

Mais informações

Referências

  1. Aler_mar2021_resumo-Renovaveis-Em-Mocambique-2021.Pdf’, accessed 23 April 2021, https://www.lerenovaveis.org/contents/lerpublication/aler_mar2021_resumo-renovaveis-em-mocambique-2021.pdf
  2. Mozambique: Energy transition must take into account realities of a country: https://www.esi-africa.com/mozambique-energy-transition-must-take-into-account-realities-of-a-country/
  3. Pranab Baruah and Brendan Coleman, ‘Country Brief: Mozambique Off-Grid Solar Power in Mozambique: Opportunities for Universal Energy Access and Barriers to Private Sector Participation’, n.d., 26
  4. “Yearly average values of PV electricity (AC) delivered by a PV system and normalized to 1kWp of installed capacity (© 2019 Solargis)” https://globalsolaratlas.info/support/methodology
  5. 5.0 5.1 5.2 GET.invest, ‘Renewable Energy Potential – GET.Invest’, accessed 21 April 2021, https://www.get-invest.eu/market-information/mozambique/renewable-energy-potential/
  6. 6.0 6.1 ALER, ‘Renováveis Em Moçambique’, 2021, https://www.lerenovaveis.org/contents/lerpublication/aler_mar2021_resumo-renovaveis-em-mocambique-2021.pdf
  7. PV Magazine, ‘Construction Begins on 41 MW Solar Project in Mozambique’, pv magazine International, 2020, https://www.pv-magazine.com/2020/10/30/construction-begins-on-41-mw-solar-project-in-mozambique/
  8. Mozambique Conflict: What’s behind the Unrest?’, BBC News, 29 March 2021, sec. Africa, https://www.bbc.com/news/world-africa-56441499
  9. MOZAMBIQUE: Scatec Solar and partners successfully connect Mocuba power plant: https://www.afrik21.africa/en/mozambique-scatec-solar-and-partners-successfully-connect-mocuba-power-plant/
  10. Afrik21 (2022):MOZAMBIQUE: France’s Neoen commissions its 41 MWp Metoro solar power plant. https://www.afrik21.africa/en/mozambique-frances-neoen-commissions-its-41-mwp-metoro-solar-power-plant/
  11. ALER (2022): Mozambican president inaugurates the country's largest solar power plant. https://www.aler-renovaveis.org/en/communication/news/mozambican-president-inaugurates-the-countrys-largest-solar-power-plant/
  12. PV Magazine, ‘Construction Begins on 41 MW Solar Project in Mozambique’, pv magazine International, 2020, https://www.pv-magazine.com/2020/10/30/construction-begins-on-41-mw-solar-project-in-mozambique/.
  13. Mozambique Conflict: What’s behind the Unrest?’, BBC News, 29 March 2021, sec. Africa, https://www.bbc.com/news/world-africa-56441499.
  14. MOZAMBIQUE: Total Eren awarded the contract for the Dondo solar power plant: https://www.afrik21.africa/en/mozambique-total-eren-awarded-the-contract-for-the-dondo-solar-power-plant/
  15. MOZAMBIQUE: Solarcentury joins forces with RESA and Checunda for a 100 MWp solar park. 2022. https://africa-energy-portal.org/news/mozambique-solarcentury-joins-forces-resa-and-checunda-100-mwp-solar-park
  16. Globeleq (2021). Cuamba Solar PV + Energy Storage Project Breaks Ground in Mozambique.https://www.globeleq.com/blog/cuamba-solar-pv-energy-storage-project-breaks-ground-in-mozambique/ https://www.globeleq.com/blog/projects/cuamba-solar/
  17. Globeleq (2022).Cumaba Solar. https://www.globeleq.com/blog/projects/cuamba-solar/
  18. MOZAMBIQUE: Agreement between EDM and IFC for 4 mini solar power plants of 50 MW: https://www.afrik21.africa/en/mozambique-agreement-between-edm-and-ifc-for-4-mini-solar-power-plants-of-50-mw/
  19. AEF, "IFC and EDM Partner to Increase Access to Renewable Energy in Mozambique", https://www.africa-energy-forum.com/press-release-ifc-edm-partner-increase-access-renewable-energy-mozambique
  20. 20.0 20.1 Kameshnee Naidoo and Christiaan Loots, ‘Mozambique / Energy and the Poor – Unpacking the Investment Case for Clean Energy’, 2020, https://sun-connect-news.org/fileadmin/DATEIEN/Dateien/New/2021-01-29_UNDP-UNCDF-Mozambique-Energy-and-the-Poor.pdf
  21. Miguel M. Uamusse et al., ‘Mini-Grid Hydropower for Rural Electrification in Mozambique: Meeting Local Needs with Supply in a Nexus Approach’, Water 11, no. 2 (February 2019): 305, https://doi.org/10.3390/w11020305
  22. Energy Sector – GET.Invest’, accessed 4 May 2021, https://www.get-invest.eu/market-information/mozambique/energy-sector/
  23. Miguel Uamusse, Small Scale Hydropower as a Resources of Renewable Energy in Mozambique: Case of Chua River in Manica, 2018, https://doi.org/10.20944/preprints201805.0327.v1
  24. Iha_2016_may_hydropower-Status-Report-2016.Pdf’, accessed 3 May 2021, https://www.lerenovaveis.org/contents/lerpublication/iha_2016_may_hydropower-status-report-2016.pdf
  25. EDM, ‘Generation | EDM - Electricidade de Moçambique’, accessed 19 May 2021, https://www.edm.co.mz/en/website/page/generation
  26. IHA, ‘Hydropower Status Report’, 2016, https://www.lerenovaveis.org/contents/lerpublication/iha_2016_may_hydropower-status-report-2016.pdf
  27. Andrew Bullock and Stephan Hülsmann, ‘Strategic Opportunities For Hydropower Within The Water-Energy-Food Nexus In Mozambique’, n.d., 71.
  28. Mozambique: African Development Bank to serve as advisor for development of 1500 MW Mphanda Nkuwa hydropower project: https://www.afdb.org/en/news-and-events/press-releases/mozambique-african-development-bank-serve-advisor-development-1500-mw-mphanda-nkuwa-hydropower-project-51829
  29. Mphanda Nkuwa Hydropower Project: https://www.nsenergybusiness.com/projects/mphanda-nkuwa-hydropower-project/
  30. 30.0 30.1 Recurso Eólico’, accessed 24 June 2021, https://www.funae.co.mz/index.php/pt/recursos/recurso-eolico
  31. Emily Woollen et al., ‘Charcoal Production in the Mopane Woodlands of Mozambique: What Are the Trade-Offs with Other Ecosystem Services?’, Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences 371, no. 1703 (19 September 2016): 20150315, https://doi.org/10.1098/rstb.2015.0315
  32. 32.0 32.1 32.2 ‘Mozambique Biomass Energy Strategy.Pdf’, accessed 24 June 2021, https://www.greengrowthknowledge.org/sites/default/files/downloads/policy-database/MOZAMBIQUE%29%20Mozambique%20Biomass%20Energy%20Strategy.pdf