Please PARTICIPATE in our USER SURVEY and help us improve energypedia!

Sistemas Solares de Irrigacão em Moçambique - Uma Análise Profunda com Peritos

From energypedia

Webinar: Sistemas Solares de Irrigação em Moçambique - Uma Análise Profunda com Peritos

Moderadores:

Helena Macune - AMER

Ricardo Pereira - AMER

Painelistas:

Berry Van Del Pol - Pratica Foundation

Killan Blumrnthal – Giz Kenya

Cenário Modelo para a Irrigação Solar em Moçambique

Painel de discussão

Aqui estão todas as perguntas que foram feitas durante o painel de discussão

1. Quais são as coisas a serem consideradas durante a preparação da directriz para SPIS para pequenos agricultores?

Segundo Killian antes de desenvolver um SPIS deve se fazer um estudo prévio, para saber quem fornece, a quem o sistema é endereçado, e quais ferramentas (componentes) a serem usadas.

2. Como gerir o bombeamento excessivo de um sistema solar?

Segundo Killian muita das vezes o problema não é do sistema, mas sim do dimensionamento do mesmo não estar correcto, nesse sentido, ele propõe que se tenha em consideração os seguintes aspectos:

  • Exigências necessárias para o cultivo da cultura pretendida;
  • O clima da região;
  • Estrutura do solo a irrigar;
  • Especificações do nível e desnível da fonte de água; e
  • Em que momento durante o dia será usado o sistema de irrigação.

O Killian afirma que seguindo as descrições acima é possível ter o tamanho ideal da bomba para o SPIS. O Berry acrescentou ainda quando o SPIS é para uma pessoa individual é mais fácil de usar correctamente duque em conjunto.

3. Com que facilidade os pequenos agricultores operam e mantêm um sistema de irrigação solar? Eles exigem treinamentos? Quais foram suas experiências até agora?

Segundo Berry é fácil manejar os sistemas de irrigação (bombeamento de superfície) para os agricultores porque é só ligar e desligar o botão, agora quanto as outras formas de bombeamento de água é difícil pois as empresas que oferecem produtos para sistemas de irrigação demoram dar aos agricultores as instruções de como usar os equipamentos.

No projecto 2021 o Berry descreve que só 40% das empresas que vendem sistemas de irrigação é que deram as instruções de como usar os equipamentos e 60% não, o que acaba dificultando a vida do agricultor.

4. Quais são os principais componentes que um manual de O&M deve conter?

Segundo Killian é importante ter no manual:

-       Como funciona o sistema,

-       Qual é a composição do sistema,

-       Quais são as coisas que os agricultores devem fazer e não fazer no caso de mal funcionamento do sistema,

-       Como montar o sistema,

-       O manual deve conter contactos de empresas para manutenção, e

-       Garantir que a manutenção do sistema seja feita por empresas certificadas.

5. O quão é importante limpar os painéis? Quais são as recomendações?

Segundo Killian a sujidade reduz a eficiência do painel e degrada rapidamente os componentes quando expostos, o que irá prejudicar o rendimento da bomba, nesse sentido, é importante limpar o painel com um pano seco ou húmido e também controlar o a caixa que contém os controladores de carga, inversor, entre outros componentes de modo a não deixar os mesmos expostos a sujidade/ poeira e é importante manter esses componentes em um lugar fechado.

6. Problemas com a caixa do controlador, pois são deixadas em ambiente aberto e exposto – poeira/insectos. Como você lida com tais problemas?

Segundo Killian, onde colocamos o sistema está directamente ligada com a protecção da caixa do controlador, pois se estiverem expostos ao sol, chuva ou vento a degradação será rápida e vice-versa.

7. Como funcionam os subsídios para os sistemas solares em Quénia?

Segundo Killian em Quénia ainda há muitas dificuldades quanto aos subsídios para Sistemas solares pois o governo tem muita limitação no que diz respeito ao financiamento para esses projectos, agora os bancos também cobram taxas altíssimas. Mas existem mecanismos de financiamento adaptados em que vende-se o sistema com pagamento adiantado em 20% e depois paga o restante em parcelas.

8. Que tipo de conhecimento as empresas precisam ter para fornecerem os sistemas de irrigação solar no mercado?

Segundo Berry, primeiro antes de mais nada deve se conhecer o mercado em que estão, pra quem estão a vender o sistema, qual é a finalidade das bombas, porque há um serviço pós-venda, instalação e manutenção. Portanto, a empresa deve estar estruturada para não so vender, mas fornecer todo o serviço, tanto pré quanto pós-venda destes sistemas. Também é necessário saber em que área está o mercado, em que zona está o mercado e ter uma zona alvo onde estas bombas serão vendidas.

É necessário ter conhecimentos técnicos sobre os sistemas, embora os fabricantes já tenham esta informação de forma prévia, contudo as empresas devem ter esta informação para que em casos de dúvidas os agricultores possam ser esclarecidos no que concerne a operação das bombas. Ter a capacidade de reconhecer que o fornecimento não é só do sistema mas de um serviço.

9. Quais são as empresas locais que vendem sistemas de irrigação solar em Moçambique?

Esta informação pode ser encontrada na página da EnergyPedia sobre o mercado dos sistemas de irrigação solar. Neste link: Irrigação com Energia Solar em Moçambique: Panorama do Mercado#Invent.C3.A1rio do Sector Privado

10. Como funcionam os subsídios para os pagamentos de sistemas de irrigação solar, e se tem alguma história de sucesso?

Killian responde dizendo que, no Quénia não há um fundo para o subsídio de sistemas de irrigação solar ainda, por isso não tenho como dizer se existe alguma história de sucesso nesta vertente. Para os fornecedores, existe aqui no Quénia, algumas empresas que trabalham com o sistema de irrigação solar, e uma das famosas chamada SUNCULTURE. A limitação na capacidade de financiar os sistemas para o sector agrícola, é devido a aversão de riscos, tanto para os fornecedores tanto para os Bancos e o Governo. O financiamento de activos é uma das opções populares para o financiamento de sistemas de irrigação solar.

11. Você acredita que os sistemas solares são a solução para agricultura, e podem ajudar na segurança alimentar e erradicação da pobreza? Até que ponto os sistemas podem ser explorados no desenvolvimento do Agro-negócios? Se Sim, quais são então os possíveis desafios?

Berry: Sim, podem ser uma solução, contudo a que ser honesto quando são viáveis e quando não são, quando usar e quando não usar, porque apesar de serem uma resposta não são uma solução para tudo. Tudo isto e necessário para evitar descontentamentos e desgostos, tendo uma diferença clara das bombas a usar, por exemplo as bombas a Diesel são usadas no momento em que se precisa para irrigar 2 hectares, mas as bombas de sistemas solares funcionam a medida que o sol vai disponibilizando energia, portanto não e uma questão so de ligar e desligar como as bombas a Diesel, e muitas vezes as bombas solares funcionam bem em combinação com outras tecnologias.

Em vários momentos as bombas solares são bem melhores, e em uma profundidade entre 7 a 10 m onde existe bastante água, o esforço que uma bomba a Diesel faz é muito maior que o esforço que uma bomba solar faz, portanto é quase ideal usar um sistema de irrigação das bombas, as chamadas bombas submersíveis, quando se esta a extrair água de uma certa profundidade.

São sim uma resposta, podem ser usadas na procura de diminuir os níveis de pobreza, mas tem que ser usadas de maneira honesta e no contexto certo, e não simplesmente como uma solução para tudo e para todos.

12. Considerações Finais

Berry: Para mim os custos de aquisição das bombas ainda é caro, especialmente em Moçambique aonde tenho experiencia, pois os custos das bombas são elevados comparativamente a Quénia, como os custos de importação e etc., e sem uma solução financeira, essa situação não será ultrapassada, as taxas praticadas devem ser normais, porque é necessário um fundo de subsídio, empréstimo. Como no Quénia o sistema PAYGO, embora não tenha chegado aqui em Moçambique para os sistemas de irrigação, por ser acessível, ajudam a vida dos agricultores. E em Moçambique temos trabalhado (Pratica Foundation) com a GIZ com o intuito de tornar isto possível, e para mais informações pode-se encontrar a manifestação de interesse de subsídios para as empresas na página da Energypedia.

Killian: Falamos bastante dos sistemas de irrigação no sector agrícola, tendo em conta as mudanças climáticas, e nesta senda os sistemas de irrigação solar são mais sustentáveis, inovadores, e por isso as empresas precisam ver que apesar da competição entre as empresas, os custos são altos, deve existir uma espécie de subsídio para a redução dos custos. Olhar também para o dimensionamento do sistema, a verificação da quantidade de água disponível na fonte, os problemas de financiamento, problemas de políticas de campo, e etc., as empresas que fornecem os sistemas devem fornecer também os serviços pós-venda neste sector, e verificar se com estes factores será possível eliminar estas barreiras com relação a irrigação a base dos sistemas solares, tornado a tecnologia acessível ou vice-versa.

Quanto aos desafios e esforços feitos para promoção dos sistemas solares para irrigação, os painelistas recomendam que apesar em vários momentos as bombas solares serem ideias para os sistemas de irrigação, é necessário que as entidades/indivíduos que fornecem produtos e serviços de sistemas solares sejam honestos quando as bombas solares são viáveis e quando não são viáveis para um determinado projecto.

A participante Carmen Mariado (Moçambicana) partilhou durante o webinar, que através da rede de aconselhamento ao financiamento privado é possível obter treinamento gratuíto e facilitação de investimento, sobretudo dos projectos de Energias Renováveis.

Para mais informações o seu contacto é: Cmariado@verdeazul.co.mz